Graça: Um tesouro inestimável

Por Limonc (Trabalho próprio pelo carregador) [Public domain], undefined
Artigo publicado no jornal Alagoas em Tempo, edição de 03 a 09 de agosto/2015 | Ano 9 – Nº 691.

Marcos Antonio Fiorito *

“Dar o ar da graça” é só mais uma bela expressão da língua portuguesa na qual empregamos um termo que pode tanto significar favor, mercê, benevolência, estima, amizade quanto algo muito mais sublime e de caráter divino. Quando falamos de graça em termos teológicos, estamos falando de um dom interno, sobrenatural e gratuito, que Deus nos dá em relação à vida eterna.

A graça se divide em santificante (ou habitual) e graça atual. Só através da graça é possível ao cristão ser habitado pela vida divina. Divina? Sim, não é nenhum exagero dizer que através da graça santificante Deus habita a alma do cristão e nos dá participação na Sua natureza.

Sem dúvida alguma, se não fossem confirmadas pelas Sagradas Escrituras, tais afirmações pareceriam de todo extravagantes. Porém é o próprio São Pedro quem define tal verdade de fé: “O poder divino deu-nos tudo o que contribui para a vida e a piedade, fazendo-nos conhecer aquele que nos chamou por sua glória e sua virtude. Por elas, temos entrado na posse das maiores e mais preciosas promessas, a fim de tornar-vos por este meio participantes da natureza divina”… (2Pd 1, 3-4).

Por isso afirma o catecismo que o sacramento do batismo nos torna filhos de Deus. E de fato, do ponto de vista substancial, não possuímos a natureza divina; o que nos torna mera criaturas de Deus. Porém, através da graça, que nos é infundida pelas águas batismais, alcançamos a filiação divina: “Quando se completou o tempo previsto, Deus enviou Seu Filho, nascido de uma mulher, nascido sujeito à Lei, a fim de resgatar os que estavam sujeitos à Lei e para que todos recebêssemos a filiação adotiva (Gal 4,4-5).

Segundo o Terceiro Catecismo da Doutrina Cristã, a graça santificante é um dom sobrenatural, inerente à nossa alma, que nos faz justos, filhos adotivos de Deus e herdeiros do Paraíso. Quando falamos em “Comunhão dos Santos”, estamos falando da comunicação que há por parte de todos os justos, todos aqueles cristãos em estado de graça; seja no Céu, na Terra ou no Purgatório.

Pode-se perder o estado de graça? Sim, infelizmente, através do pecado mortal. E pode-se recuperar a filiação divina pelo arrependimento sincero, pela contrição perfeita. Foi prevendo nossa fraqueza e miséria que Cristo instituiu o sacramento da penitência. Por meio da confissão de nossos pecados obtemos o perdão de nossas culpas e a restauração da vida sobrenatural.

E o que é a graça atual? É um dom sobrenatural que ilumina nossa inteligência, move e fortalece a nossa vontade a fim de que pratiquemos o bem e evitemos o mal. E para que correspondamos à graça, é preciso aceitá-la de todo o coração. Nesse sentido, vale esclarecer que ela não destrói o nosso livre arbítrio. Ou seja, é possível resistir à graça de Deus, embora isso venha nos trazer infelizes consequências…

Não devemos temer em nada a graça, pois como nos diz São Tomás de Aquino, ela “não destrói a natureza, mas a aperfeiçoa” (I 8 ad 2). E de forma muito semelhante também esclarece um contemporâneo seu, São Boaventura, que “a graça não se opõe à natureza, não a modifica, mas, pelo contrário, a conserva na sua condição essencial” (Ib. 467, 1).

* O autor é teólogo e redator católico

(Autoriza-se reprodução do artigo com citação do autor.)

Veja também: Sudário de Turim, mistério empolgante envolve a relíquia

Deixe uma resposta

CAMPANHA PELAS ALMAS DO PURGATÓRIO!!!

LIVRO IMPRESSIONANTE SOBRE O PURGATÓRIO ACABA DE SER

TRADUZIDO PARA O PORTUGUÊS

 

Na compra do livro, você estará colaborando com a
oferta de Mil Missas pelas Santa Almas! Saiba mais!

 

CAMPANHA PELAS ALMAS DO PURGATÓRIO!!!

LIVRO IMPRESSIONANTE SOBRE O PURGATÓRIO ACABA DE SER

TRADUZIDO PARA O PORTUGUÊS

Na compra do livro, você estará colaborando com a
oferta de Mil Missas pelas Santa Almas! Saiba mais!

 

%d blogueiros gostam disto: