O mito futurista de um mundo perfeito

photo credit: Star Trek 1998 (where have we landed Mr Spok?) via photopin (license)
photo credit: Star Trek 1998 (where have we landed Mr Spok?) via photopin (license)

Artigo publicado no jornal Alagoas em Tempo, edição de 01 a 07 de junho/2015 | Ano 9 – Nº 682.

Marcos Antonio Fiorito *

Isaac Asimov, bioquímico e escritor renomado, imaginou um futuro todo ele permeado pela tecnologia de ponta: carros voadores, androides, robôs e máquinas fantásticas, casas subterrâneas, povoações na Lua, etc.

Sem dúvida, muito do que escreveu Júlio Verne, Asimov e tantos outros autores entusiastas do futurismo, já faz parte do mundo presente: aviões, submarinos, televisões de tela plana, smartphones, aplicativos que permitem que possamos nos comunicar com qualquer pessoa em qualquer parte do mundo, etc.

E se formos falar no avanço das ciências médicas, inúmeras doenças consideradas incuráveis no passado, hoje não representam nenhuma ameaça ao mundo.

A partir da era dos grandes inventos, sobretudo, o homem passou a sonhar com um futuro maravilhoso e fantástico, onde tudo funcionará da forma mais perfeita possível; onde as doenças serão facilmente curadas e o envelhecimento vencido. Nesse mundo, os homens deixarão as guerras de lado e reinará a paz e a concórdia.

Apesar de a ideia ser para lá de simpática e agradável, ela vai de encontro à doutrina cristã, pois nega a existência do pecado original e suas desastrosas consequências, já comentadas por nós em outro artigo.

O Catecismo da Igreja Católica nos ensina que “instigado pelo Maligno, desde o início da história o homem abusou da própria liberdade. Sucumbiu à tentação e praticou o mal. Conserva o desejo do bem, mas sua natureza traz a ferida do pecado original. Tornou-se inclinado ao mal e sujeito ao erro: O homem está dividido em si mesmo. Por esta razão, toda a vida humana, individual e coletiva, apresenta-se como uma luta dramática entre o bem e o mal, entre a luz e as trevas” (1707).

Esta divisão de que nos fala o catecismo, está presente na humanidade desde o início dos tempos e é eminentemente representada na Bíblia pela história da construção da Torre de Babel (Gn 11, 1-9). Uma divisão que é a causa de tantos desentendimentos e crimes; tantas injustiças, discórdias e guerras.

Um mundo perfeito sem dúvida é algo utópico, pois isso significaria a suspensão dos efeitos do pecado original. E como vimos em outro artigo, embora Cristo tenha obtido o perdão de nossos pecados, não nos livrou de suas consequências, sobretudo da mais grave delas, que é a morte:

“Em consequência do pecado original, o homem deve sofrer a morte corporal, à qual teria sido subtraído se não tivesse pecado” (Catecismo da Igreja Católica, parágrafo 1018).

Seja como for, não é impossível um mundo melhor, onde reine a paz e a concórdia; desde que os homens também progridam no seu aspecto moral. O desenvolvimento só é pleno se acompanhado de verdadeiro progresso moral, do contrário, continuaremos a ver o homem se utilizar do avanço tecnológico para ofender a Deus e destruir-se a si mesmo…

* O autor é teólogo e redator católico

(Autoriza-se reprodução do artigo com citação do autor.)

Comentar!

Veja também: Pecado original e Sofrimento

Deixe uma resposta

CAMPANHA PELAS ALMAS DO PURGATÓRIO!!!

LIVRO IMPRESSIONANTE SOBRE O PURGATÓRIO ACABA DE SER

TRADUZIDO PARA O PORTUGUÊS

 

Na compra do livro, você estará colaborando com a
oferta de Mil Missas pelas Santa Almas! Saiba mais!

 

CAMPANHA PELAS ALMAS DO PURGATÓRIO!!!

LIVRO IMPRESSIONANTE SOBRE O PURGATÓRIO ACABA DE SER

TRADUZIDO PARA O PORTUGUÊS

Na compra do livro, você estará colaborando com a
oferta de Mil Missas pelas Santa Almas! Saiba mais!

 

%d blogueiros gostam disto: