Quais foram as últimas palavras de Steve Jobs?

Matthew Yohe [CC BY-SA 3.0 or GFDL], via Wikimedia Commons

Artigo publicado no jornal Alagoas em Tempo, edição de 01 a 07 de fevereiro/2016 | Ano 10 – Nº 714.

Marcos Antonio Fiorito *

Dias atrás, recebi do meu estimado amigo, Dr. João Tenório Cavalcante, um texto que me conduziu a inúmeras reflexões. Tratava-se das últimas palavras do fundador da Apple, Steve Jobs, no seu leito de morte. Embora, como bom católico e teólogo, esteja acostumado a assuntos escatológicos, penso que a morte sempre irá nos trazer desconforto. Afinal de contas, trata-se do futuro, daquilo que irá fatalmente acontecer um dia a todo mortal. É só uma questão de tempo…

Convencido do bem que o texto poderá fazer a todos os leitores que acompanham os nossos artigos, achei por bem reproduzir aqui as derradeiras ponderações de um homem que, entre nós, foi e sempre será considerado um gênio da tecnologia de ponta; mas que, lamentavelmente, não pôde evitar um câncer devastador e, consequentemente, sua partida para a eternidade.  Eis suas palavras:

“Eu alcancei o auge do sucesso no mundo dos negócios. Aos olhos dos outros, a minha vida é um epítome (símbolo) do sucesso. No entanto, tirando o trabalho, eu tenho pouca alegria. No final das contas, a riqueza é só mais um fato da vida a que estou acostumado.

“Neste momento, deitado na cama, enfermo e recordando toda a minha vida. Percebo que todo o reconhecimento e riqueza pelos quais tive tanto orgulho em alcançar, fracassaram e perderam seu sentido em face da morte iminente.

“Na escuridão, vejo as luzes verdes das máquinas de sustentação da vida e ouço os sons mecânicos zumbindo… Eu posso sentir o sopro de Deus e da morte se aproximando…

“Agora sei que quando acumulamos riqueza suficiente para durar toda nossa vida, devemos perseguir outros assuntos que não estão relacionados com a riqueza. Deve ser algo de maior importância: talvez relacionamentos, quiçá algo sobre arte, talvez um sonho de juventude…

“Para não deixar de perseguir a riqueza (já sendo muito rico), só mesmo convertendo alguém em um ser retorcido, como eu. Deus nos deu os sentidos para que sintamos o amor no coração de todos, e não as ilusões provocadas pela riqueza.

“A riqueza que ganhei em minha vida não posso levá-la comigo. O que posso, sim, é carregar as lembranças trazidas pelo amor. Essa é a verdadeira riqueza que irá nos seguir, e que nos acompanhará, dar-nos-á força e luz para seguir adiante.

“O amor pode viajar milhares de milhas. A vida não tem limite… Vá para onde queira ir e alcance a altura que deseje alcançar. Tudo está em seu coração e em suas mãos.

“Qual é a cama mais cara do mundo? – ‘A cama do enfermo’… Você pode contratar alguém para dirigir o seu carro, ganhar dinheiro para você, entretanto, não poderá ter alguém para suportar a doença por você.

As coisas materiais perdidas podem ser encontradas. Mas há uma coisa que nunca poderá ser encontrada quando se perde: – ‘a Vida’.

“Quando uma pessoa vai para a sala de cirurgia, ela se dá conta que existe um livro que é preciso terminar de ler: – ‘O Livro da Vida Saudável’. “Seja qual for a fase da vida em que estejamos agora, com o tempo, iremos enfrentar o dia em que a cortina vem abaixo.

“O Maior Tesouro é o amor para com a sua família, o amor para com o seu cônjuge, o amor por seus amigos… Cuide-se bem. Estime os outros.”

* O autor é teólogo e redator católico

(Autoriza-se reprodução do artigo com citação do autor.)

Veja também: A segunda vinda de Jesus

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: